Recital de lançamento do Livro Cirandas de Villa-Lobos – Reivenções

Veja um registro do recital de lançamento do meu mais recente livro lançado, “Cirandas de Villa-Lobos – Reinvenções”,  peça inspirada no legado de Villa-Lobos e composta por ilustrações, minicontos e CD da obra musical, onde me reuni com a artista plástica Clara Pechansky, e a pianista Olinda Allessandrini.

Recital de lançamento do livro Cirandas de Villa-Lobos - Reinvencoes

Recital de lançamento do livro Cirandas de Villa-Lobos – Reinvencoes

O livro pode ser adquirido no StudioClio, de segunda a sexta, das 9h às 19h. Entregas podem ser feitas por motoboy (R$ 12,00) ou pelo correio (R$ 10,00). Contato StudioClio – (51) 3254 7200 ou clio@studioclio.com.br.

Veja mais fotos desta bela noite na minha fanpage: www.facebook.com/escritoramarobarbieri

Anúncios

Novo livro de Marô Barbieri, onde encontrar:

O livro “Cirandas de Villa-Lobos -Reinvenções” está à disposição para venda no StudioClio, de segunda a sexta, das 9h às 19h.

Também através da página do StudioClio na internet, podendo ser entregue por motoboy (R$ 12,00) ou pelo correio (R$ 10,00).
StudioClio – Núcleo Hermes de Comunicação
(51) 3254 7200 / (51) 9361 5259
www.studioclio.com.br

Image

Lançamento do livro “Cirandas de Villa Lobos – Reinvenções

Cirandas – cantigas de roda, infantis, ingênuas e delicadas? Não na concepção de Villa-Lobos, que em sua série “Cirandas” transforma as cantilenas em peças musicais de forte apelo dramático.

Lançamento dia 23 de novembro, segunda-feira, às 19h30 no Studio Clio, Porto Alegre

Em um trabalho pioneiro, reúnem-se a escritora Marô Barbieri, a artista plástica Clara Pechansky, e a pianista Olinda Allessandrini, que reinventam os “Cirandramas” criados por Villa-Lobos, mantendo o mesmo senso estético que norteou o compositor. O grupo lança, no StudioClio, o livro “Cirandas de Villa-Lobos – Reinvenções”, peça inspirada no legado de Villa-Lobos e composta por ilustrações, minicontos e CD da obra musical.Cirandas – cantigas de roda, infantis, ingênuas e delicadas? Não na concepção de Villa-Lobos, que em sua série “Cirandas” transforma as cantilenas em peça