Marô Barbieri na 31ª Feira do Livro de Canoas

Nos dias 17 e 18 junho, Marô Barbieri irá coordenar o Projeto LEITOR DE RUA na Feira do Livro de CANOAS – com Rosinaura Barros, Cleonice Guerra e Patrícia Langlois, nas sessões de leitura de textos de Luís F. Veríssimo – escritor homenageado na Feira do Livro de CANOAS.

No dia 18 de junho a escritora estará lançando e autografando o livro bilíngüe “A princesa que não sabia chorar/ La princesse qui ne savait pas pleurer” no Café Literário da FEIRA DO LIVRO DE CANOAS.

A Feira do Livro de Canoas ocorrerá de 13 a 27 de junho, concentrada na Praça da Bandeira.

        

Anúncios

Marô Barbieri, é uma das escritoras esperadas para Feira do Livro de Venâncio Aires

Na programação da Feira do Livro divulgada ontem, estarão inúmeras obras do escritor Simões Lopes Neto, pois neste ano é comemorado seu biênio. E também escritores gaúchos, como, Marô Barbieri, natural de Bento Gonçalves, escritora e contadora de histórias. Foi patrona de 15 feiras do livro. Hoje ocupa a cadeira 15 da Academia Rio-Grandense de Letras. Participou como escritora convidada de eventos na Espanha, França, Bélgica, Chile e Uruguai. Tem 26 livros publicados, o último ‘Pastoreio’ de 2013.

A sua participação na 16ª Feira do Livro será trabalhada com uma releitura da lenda ‘O Negrinho do Pastoreio’, uma das obras mais famosa de Simões. Conforme a agente de cultura e lazer do Sesc, Lisiane Camargo, a autora faz uma releitura para as escolas, principalmente para o público jovem. ‘Ela aborda o Negrinho como se ele estivesse nos dias atuais’, explica.

Paulo Bocca também é atração na Feira. Escritor, contador de histórias, é natural de Canoas. Faz pesquisas sobre lendas do Rio Grande do Sul há mais de 20 anos para sua montagem de contação de histórias. A sua último montagem chama-se ‘Fogueira de histórias’ , onde trata das principais lendas regionais gaúchas.

O vocalista, cantor e compositor e escritor, Marcello Caminha retorna a Venâncio Aires para participar da Feira do Livro. Natural de Bagé, atua na música nativista desde 1985. Tem 12 discos gravados, 2 dvds e um livro publicado. A Orquestra Municipal deve levar seu encanto ao público que estiver pelos Pavilhões São Sebastião Mártir.
Confirmados estão dois teatros: ‘O negrinho do Pastoreio’ e ‘O jardim dos livros’.

Folha realiza ações na Feira
A relações públicas, Andréia Pinheiro, ressaltou durante o pré-lançamento os eventos que serão realizados pela Folha do Mate durante a 16ª Feira do Livro. Entre as ações está a Brinquedoteca Pé da Letra e a Estante do Desapego. Além de realizar um bate-papo sobre os desafios de criar uma publicação. A equipe do caderno jovem Na Pilha! estará desenvolvendo uma gincana com as escolas e, novamente, estará com o espaço da Casa do Escritor Venâncio-airense. ‘Além da cobertura jornalística, teremos a TV Feira, com boletins especiais no meio online sobre o evento. A programação completa será divulgada em breve’, diz.

Importância da Biblioteca
Segundo o Secretário da Cultura, Esportes e Turismo, Lucas Ferreira, a biblioteca é a Feira do Livro durante todo o ano. É a partir dela que é organizada e que a Feira ganha forças. ‘ A Feira do Livro é a cereja do bolo. A comemoração que fizemos todos os anos, louvando o grande trabalho que vem sendo feito em Venâncio através da biblioteca pública e da Cidade Nova’, explica.

Fonte: Folha do Mate

A FAVOR DA JORNADA LITERÁRIA DE PASSO FUNDO

11119127_750559538390955_5804062295204488754_n

CARTA ABERTA

A Jornada Nacional de Literatura nasceu sul-riograndense em 1981, graças ao apoio e incentivo de autores como Josué Guimarães e Mario Quintana. Depois, em suas 14 edições, foi, aos poucos, ampliando espaço, participantes e abrangência, tornando-se, na prática, uma jornada internacional. Assim, há mais de 30 anos, bianualmente, a cidade de Passo Fundo se transforma no Circo da Leitura. Todavia, para quem não sabe, a preparação para a Jornada começa bem antes, com a divulgação dos escritores envolvidos, dos temas que serão debatidos; com o encontro entre leitores e livro: a pré-jornada, que ocorre em diferentes escolas da região. Ou seja, os cinco dias do evento maior acabam sendo o congraçamento de uma história de leitura e de leitores, por meio de encontros com escritores, na Jornada e na Jornadinha, que transformam as lonas em espaço para encontros literários, para partilha de leitura, para a construção de mais e mais leitores. Tanto que pesquisa da CRL: Câmara Rio-Grandense do Livro destacou Passo Fundo como a cidade mais leitora do RS. Além disso, devido à Jornada, em 2006, foi concedido à cidade de Passo Fundo o título de Capital Nacional da Leitura e da Literatura.
Ora, isso posto, é importante questionar-se o porquê de a Jornada não ocorrer em 2015. A quem interessa que não tenhamos Jornada? Motivos aparentes não há, afinal o saldo das ações de leitura realizadas nos parecem positivos. Convém ressaltar, também, o fato de a Jornada ter como primeiro público-alvo as escolas. Logo, faz parte dos objetivos da Jornada não só o destaque para autores e livros (ou para o comércio dos mesmos), mas, sobretudo, a formação literária de mais e mais crianças e jovens. Um de seus pés, pois, está firmado na educação, na estreita relação que existe entre educar e formar leitores literários, mais críticos, mais atentos, mais sensíveis. Outros eventos de leitura existem, porém nenhum se compara à grandiosidade da Jornada. Ela, nesse sentido, concede visibilidade a Passo Fundo, ao Rio Grande do Sul, ao Brasil.
Assim, como representante dos escritores gaúchos, a AGES: Associação Gaúcha de Escritores vem a público demonstrar seu profundo descontentamento com os setores culturais, em nível federal e estadual, assim como com à iniciativa privada, que não percebem na Jornada todo o seu potencial de tradição no fomento ao setor produtivo e consumidor do livro e permitem passivamente, que ela seja cancelada. Até quando, perguntamo-nos, ficaremos à mercê de governantes, de planos de governo, de cortes no orçamento, que não privilegiem aquilo de que um povo mais necessita para ser livre: educação e leitura. Educação e cultura não podem apenas ser promessas, precisam se consolidar como políticas públicas. Pedimos, pois, publicamente, que ações sejam realizadas, que soluções sejam buscadas pelo setor público, a fim de que este momento de crise não prejudique a realização da 15ª Jornada Literária de Passo Fundo em 2015 e que a decisão de cancelamento possa ser revista. Deixar a Jornada morrer é atestado de descuido com o livroÂncora, com a produção literária e cultural, com a educação, com a formação de leitores literários, o que, com certeza, não queremos.
Caio Riter, presidente da AGES: Associação Gaúcha de Escritores

Marô Barbieri no Projeto LEIA PRA MIM?

A escritora Marô Barbieri foi convidada para leitura no Projeto LEIA PRA MIM? que ocorrerá no dia 27 de maio no Memorial do Rio Grande do Sul.

fotocapa04

Marô Barbieri participará da da Feira do Livro do COLÉGIO ULBRA SÃO JOÃO

No dia 20 de maio, Marô Barbieri participará da da Feira do Livro do COLÉGIO ULBRA SÃO JOÃO, em Canoas, como escritora convidada nas sessões de animação cultural para jovens leitores.

fotocapa03

Encontro Reinações

Marô Barbieri participará do 97º Encontro da CONFRARIA REINAÇÕES – livro escolhido “ Antes que o mundo acabe” – de Marcelo C. da Cunha – Livraria Palavraria.

19209_952402021448618_184186690324650809_n

Marô Barbieri participa da Feira do Livro Infantil promovida pelo Sesc em Bento Gonçalves

fotocapa01

Entre os dias 13 e 17 de maio acontecerá a Feira do Livro Infantil Sesc, com o tema “Brinquedos e Brincadeiras Literárias”. O patrono será Kalunga e o escritor homenageado é Carlos Urbim. Através de ação cultural, o objetivo é contribuir para a formação de um público leitor, oferecendo atividades que propiciem a difusão da literatura infantil e fomentem propostas de trabalho nesta área.
Com entrada franca, a feira funcionará de quarta a sábado, das 9h às 19h e domingo, das 11h às 17h, na Via del Vino.

Programação

13 de maio
9,10, 14, 15 horas – Contação de Histórias Musicadas com o escritor e patrono Kalunga (Teatro do SESC).
10, 14 e 15 horas – Contação de Histórias com a escritora Christina Dias.
12 horas – Apresentação Musical
17 horas – Ponto de Leitura – com demonstração de Taekwondo por crianças e adultos da Academia Zago.
17h30min– Apresentação do Teatro “Uma peça. Duas peças, não me peças.”
18 horas – Apresentação Musical

15 de maio
9, 10, 11 e 15 horas – Contação de Histórias com a escritora Marô Barbieri
9, 10, 14 e 15 horas – Contação de Histórias Musicadas com o escritor e patrono Kalunga (Teatro do SESC)
12 horas – Apresentação Musical
10, 14 e 15 horas- Musicadas com o escritor e patrono Kalunga (Teatro do SESC)
17 horas – Ponto de Leitura Biblioteca do Abraço – Abraçaí – Orquestra de Violões e Coro Abraçaí Canta
18 horas – Apresentação Musical

16 de maio
10 horas – Contação de Histórias com a escritora Fabiane Sassi Caio
11 horas – Contação de Histórias Musicadas com o escritor e patrono Kalunga
12 horas – Apresentação Musical
14 horas – Contação de Histórias com a escritora Sandra Zeni Carli
14/15 horas – Espetáculo teatral “Como Num Livro Aberto”(Teatro do SESC)
17 horas – Invernada Artística do CTG Alvorada Gaúcha
18 horas – Apresentação Musical

17 de maio
13 horas – Apresentação Musical
15 horas – Contação de Histórias Musicadas com o escritor e patrono Kalunga
17 horas – Encerramento da Feira do Livro Infantil SESC e apresentação do Espetáculo Teatral “Misto Quente”, com Teatro Circo Girassol